Ceder ou não às vontades da criança? A Alienação Parental na visão sistêmica

Ceder ou não às vontades da criança? A Alienação Parental na visão sistêmica

Ana Carolina Madalenopor Ana Carolina Carpes Madaleno
Advogada e consteladora familiar, sócia do Escritório Madaleno – Direito de Família e Sucessões
www.carpesmadaleno.com.br

Atualmente muito se fala em Alienação Parental, que é uma série de atos, geralmente sutis, formando uma espécie de campanha exercida por um pai em detrimento do outro, onde a criança ou adolescente é literalmente programada para odiar, sem justificativas plausíveis, o alienado e/ou sua família, causando assim, uma forte dependência e submissão do menor com o chamado alienante.
Este é um processo lento e gradual, configurado por atos simples que na maioria dos casos iniciam com comentários até mesmo inocentes, mas que destroem a imagem do alienado e fazem com que a criança se sinta insegura em sua presença, como por exemplo, o simples fato de amedrontar a criança dizendo para que se cuide e telefone caso não se sinta bem na outra casa. Ou ainda, criar sempre uma programação melhor no dia da visitação para que o filho realmente não queira ver o outro pai, ameaçar a prole ou mesmo contra sua própria vida quando o filho demonstra carinho e interesse pelo alienado, ou seja, o rol de exemplos é infinito, porém acaba sempre caindo no lugar comum, geralmente o alienante faz parecer estar disposto a colaborar, mas na prática sempre ocorrem situações em que o menor é impedido deste contato.
As crianças são muito sensíveis e suscetíveis ao ambiente em sua volta, e quanto menor a idade, mais terror esta prática causa, pois ela inconscientemente teme por sua própria vida, pois percebe, mesmo sem palavras, que sua sobrevivência depende da boa vontade de seus cuidadores. Um mecanismo infantil muito comum é que ela passe a agradar as pessoas à sua volta e das quais ela depende, justamente por este instinto de sobrevivência.
Ou seja, existe um momento, após perceber que um de seus pais não aprova seu amor pelo outro, que esta criança passa a negar o que sente, “comprando” este discurso de ódio, medo e raiva e começa a ela própria dizer que não quer mais ver o genitor alienado, por quaisquer motivos. Mas o que busca realmente esta criança? Em seu íntimo ela não quer ter que odiar um para poder amar o outro, ela quer amar os dois, e que ambos fiquem felizes por este amor.
Quando um dos pais permite que o filho deixe de ver outro, dizendo ser a sua vontade, ele sai de sua posição de genitor (como aquele que deve zelar pelo bem-estar do filho), deixando a criança à mercê de sua própria psique infantil acreditando que deve negar seu amor para viver.
Na visão sistêmica e das Constelações Familiares dizemos que assim o filho ocupa o lugar dos pais, tendo que decidir sua própria sorte ao invés de ser conduzido e ensinado. Além disto, deve excluir uma parte sua, ou seja, um dos genitores, posto que os filhos só se sentem completos podendo amar ambos, pois de ambos vem a sua identidade. Negar uma destas partes significa dizer para a criança que ela não é boa por inteiro, apenas metade dela é aceitável, está é a mensagem por trás da Alienação Parental.

Publi – Projeto Mamãe Sarada

Está insatisfeita com seu corpo? Matricule-se já no Projeto Mamãe Sarada

Programa de 60 dias, com aulas curtas de 14 minutinhos, tem como objetivo recuperar sua forma de antes da gravidez

Muitas grávidas famosas fazem retornos triunfais às capas de revista em tempo recorde depois do parto. Posso citar várias: Gisele Bundchen, Claudia Leite… E, mais recentemente, Deborah Secco, a mãe da Maria Flor, que desfila com abdomen sarado apenas dois meses após dar à luz. Se você é uma reles mortal que está suando a camisa para conquistar o corpo que tinha antes da gestação, tenho uma dica: o Projeto Mamãe Sarada. Não, eu nunca tive  Gabriela antes e depoispaciência para academia, minha rotina é corrida – como de todas as outras mães – e detesto sacrifícios ou exageros. Por isso, decidi optar por este método desenvolvido por Gabriela Cangussú. O programa de 60 dias, com aulas curtas de 14 minutinhos, tem como objetivo recuperar sua forma de antes da gravidez. Cada movimento foi pensado exclusivamente para nós, MÃES, ou seja, mulheres que tiveram determinadas partes do corpo modificadas – barriga, lombar, coxas e o bumbum – durante os nove meses de gestação. Tenha o seu corpo sarado de volta!

O programa serve para a mãe que ainda estiver amamentando, se você estiver levando uma vida sedentária ou se já é acostumada a fazer atividade física, ou se já faz muito tempo que passou pela gravidez.

Lembre-se que, além de mãe você ainda é mulher! E, se não nos valorizarmos, ninguém fará isso pela gente. Faça logo a sua inscrição no link. Como já dizia o poetinha: “O tempo não para!”.

Alienação Parental é crime!

Devido ao conflito de lealdade, o filho se sente pressionado a escolher um dos pais e, conforme nos ensina Lacan, é justamente essa escolha forçada que implica em alienação. Françoise Dolto também assegura que a exclusão de um dos genitores da vida do filho constitui a anulação de uma parte dele, enquanto pessoa, representando a […]

[Continue lendo...]

Disputa de Guarda – por Andréa Pachá

Andrea Pachá

“A criança mora em uma cidade e o pai na outra e a mãe ansiosa graças às acusações de maus-tratos, pediu a guarda a um juiz de Brasilia. Quando foi identificado um local que a criança vivia, que era SP, a criança foi devolvida para o pai porque foi tirada de lá sem autorização judicial. […]

[Continue lendo...]

Porque os processos demoram tanto?

Porque os processos demoram tanto? por Ana Carolina Carpes Madaleno Advogada e consteladora familiar, sócia do Escritório Madaleno – Direito de Família e Sucessões www.carpesmadaleno.com.br Uma nova abordagem para antigos problemas, este é um movimento que cresce a cada dia – com passos lentos, mas consistentes – no Direito de Família e trata-se da utilização […]

[Continue lendo...]

Carta para Joselene

Uma carta para Joseleine

Joselene, Eu ouvi o choro do seu filho. Ecoou junto com o pranto do meu. Eu escutei quando ele implorou: eu quero ficar com a minha mãe! O meu filho também implora. Mas ninguém ouve. É uma súplica que só entra nos meus ouvidos, só dilacera a minha alma, só corta o meu coração. Ninguém […]

[Continue lendo...]